Sábado, Janeiro 21, 2017
   
Text Size

“Família Saúde” – Cancro: uma inevitabilidade?

 Hoje em dia muito se fala sobre cancro. Mas afinal a que é que se chama cancro? Cancro é o termo genérico para um grande grupo de doenças que afectam qualquer parte do corpo e que são resultado de um crescimento descontrolado de células e sua disseminação. Por essa razão existem diversos tipos de doença oncológica (cancro), sendo que os mais comuns são os do pulmão, estômago, fígado, colo-rectal, esófago e próstata no homem e os cancros da mama, pulmão, estômago, colo-rectal e cervical no caso da mulher.

O cancro é a principal causa de morte no mundo, e já em 2007 morreram 7,9 milhões de pessoas com esta doença. Esta situação pode ainda acentuar-se mais, uma vez que a OMS prevê que, em 2030, o número de mortes por cancro ascenderá aos 12 milhões por ano. Em Portugal, a falta de camas nos IPOs, as saídas de profissionais de saúde e os problemas de contratação de pessoal qualificado impedem, por vezes, que seja dada a resposta adequada aos doentes com estas patologias. Apesar disso, a maior parte dos casos têm resposta dentro dos tempos definidos pela lei, ou seja, abaixo dos 60 dias. Nuno Miranda, director do programa nacional para doenças oncológicas refere que o número de cirurgias apesar de ter aumentado ligeiramente no país não está a acompanhar o crescimento do número de novos casos.

Apesar destes dados alarmantes nem tudo são más notícias uma vez que está provado que é possível prevenir 30% das mortes por cancro! O excesso de peso ou obesidade, o consumo reduzido de fruta, legumes e vegetais, a falta de exercício físico e o consumo de tabaco e álcool podem contribuir activamente para o aparecimento de cancro, por isso cabe a cada um mudar pequenos hábitos do dia-a-dia que podem fazer uma grande diferença! Além disso, podem também estar na origem de tumores o sexo não protegido, os vírus da hepatite B e C e a poluição do meio urbano.

Assim, é importante conhecer os factores de risco do cancro, tentar reduzi-los e se possível evitá-los para, deste modo, ajudar a prevenir o aparecimento da doença. Apesar disso, a estratégia de combate às doenças oncológicas não passa apenas pela prevenção mas também pela detecção precoce e aumento da acessibilidade e adesão aos tratamentos.

Em jeito de conclusão, fica o desafio de que fazer exercício físico, manter uma alimentação equilibrada, apostar na vacinação do vírus do papiloma humano e hepatite B, controlar os riscos profissionais e reduzir a exposição excessiva ao sol são alguns dos pequenos passos que podem ser tomados no dia-a-dia para que consigamos diminuir o aparecimento de novos casos e assim reduzir a mortalidade causada por esta doença.

Anabela Mascarenhas e Joana Santos