DT

Distúrbio caracterizado por alterações mentais repentinas e graves (psicose) ou alterações neurológicas (incluindo convulsões) causadas pelo cessar do consumo de bebidas alcoólicas.

Causas, incidências e fatores de risco:

A abstinência alcoólica complicada (delirium tremens) afeta aproximadamente 1 em cada 10.000 pessoas. Os riscos incluem um período de bebedeira alcoólica, em que o uso de álcool é grande e a ingestão de alimentos, inadequada. Além isso, esse distúrbio também pode ser provocado por uma lesão cefálica, infecção ou doença em pessoas que tenham uma história de uso de álcool em grande quantidade. É mais comum nas pessoas que tenham antecedentes de estado de suspensão de álcool e interromperam o seu consumo – em especial naquelas que ingeriram uma quantidade diária equivalente a 3,5 a 4 litros de cerveja (ou 500 ml de bebida alcoólica forte) durante vários meses e nas que têm história de uso habitual de álcool (ou alcoolismo) existente por mais de 10 anos.

Os sintomas ocorrem devido aos efeitos tóxicos do álcool no cérebro e no sistema nervoso, podendo ser graves e evoluir rapidamente.

Sintomas:

  • sintomas da suspensão de álcool
    • apreensão ou nervosismo
    • tremor
    • ansiedade
    • irritabilidade ou facilidade para ficar agitado
    • inconstância emocional, rápidas alterações emocionais
    • depressão
    • fadiga
    • dificuldade para pensar com clareza
    • palpitações (sensação de sentir os batimentos cardíacos)
    • dor de cabeça, geral, pulsante
    • sudorese, em especial nas palmas das mãos ou na face
    • náuseas
    • vómito
    • perda do apetite
    • insónia, dificuldade para adormecer
    • pele pálida
  • alterações do estado mental
    • rápidas mudanças de humor
    • inquietação
    • aumento da atividade
    • diminuição do período de atenção
    • excitação
    • medo
    • confusão, desorientação
    • agitação, irritabilidade
    • alucinações – as mais comuns são as alucinações visuais (cobras, insetos, etc.)
    • hiperacuidade sensorial (alta sensibilidade à luz, aos sons, ao tato, etc.)
    • delírio (perda grave e aguda das funções mentais)
    • estado mental reduzido
      • estuporoso, sonolento, letárgico
      • sono profundo que persiste durante um dia ou mais
      • geralmente ocorre após os sintomas agudos
  • convulsões
    • normalmente convulsões tónico-clónicas generalizadas
    • mais comuns durante as primeiras 24 a 48 horas
    • mais comuns em pessoas com complicações anteriores por suspensão do álcool
  • tremores corporais

Outros sintomas que podem aparecer:

  • febre
  • dor de estômago
  • dor no peito

Obs.: Os sintomas são mais comuns durante as primeiras 72 horas após a última bebida, porém podem aparecer até 7 ou 10 dias depois disso. Os sintomas podem evoluir rapidamente.

Sinais e exames:

A abstinência alcoólica complicada é uma emergência médica; portanto, deve-se consultar um médico imediatamente.

O exame do sistema neuromuscular pode revelar um reflexo de choque acentuado, tremor muscular rápido e rítmico ou outras alterações que indiquem a suspensão do álcool. Pode haver evidência de função autonómica aumentada, como por exemplo uma sudorese abundante. Pode haver também sintomas de desidratação ou desnutrição e sinais que indiquem distúrbios dos eletrólitos. Uma inspeção ocular pode mostrar anormalidades no movimento do músculo ocular como lid lag. A frequência cardíaca pode ser rápida e pode ocorrer batimento cardíaco irregular. A pressão sanguínea pode ser normal ou baixa.

A triagem toxicológica sérica geralmente é positiva para o álcool. A química sérica (chem-20) pode mostrar distúrbios dos eletrólitos, especialmente níveis diminuídos de potássio e magnésio. Um ECG (eletrocardiograma) pode revelar arritmias. Pode-se realizar um EEG (eletroencefalograma) para descartar outras causas de convulsões.

Tratamento:

Esta é uma condição de emergência. Os objetivos do tratamento concentram-se em salvar a vida do paciente, tratando os sintomas imediatos e evitando as complicações. O tratamento preventivo a longo prazo pode começar após o tratamento inicial da condição aguda. É necessária a hospitalização do paciente, que terá seus sinais vitais (temperatura, frequência cardíaca, taxa respiratória e pressão sanguínea) e estado de fluidos e eletrólitos monitorizados, e as anormalidades tratadas de acordo.

As convulsões e condições cardiovasculares, tais como arritmias cardíacas, devem ser tratadas apropriadamente. Isso pode incluir medidas de salvamento ou de suporte e medicamentos anticonvulsivos, tais como a fenitoína, entre outras. A clonidina pode reduzir os sintomas cardiovasculares, além de ajudar a diminuir a ansiedade. Pode ser necessário o uso de depressores e sedativos do sistema nervoso central, com frequência em dosagens altas, para reduzir os sintomas. A carbamazepina geralmente é usada para reduzir os sintomas. O tratamento pode precisar da manutenção do estado de sedação do paciente durante uma semana ou mais até que a suspensão esteja completa. Os medicamentos à base de benzodiazepina geralmente são úteis para produzir a sedação, sendo também benéficos no tratamento das convulsões.

As alucinações são tratadas de forma similar a qualquer episódio psicótico agudo, com hospitalização quando necessário. O uso cauteloso de medicamentos como o haloperidol pode ser necessário em alguns casos.

Um período de “secagem” pode ser apropriado, durante o qual não é permitido o uso de álcool. Recomenda-se tratamento para o uso de álcool ou alcoolismo. Este pode incluir intervenções psicológicas, apoio social – como o AA (Alcoólicos Anónimos), por exemplo -, modificação de comportamento e outras intervenções.

É preciso realizar exames e tratar outros problemas médicos associados ao uso do álcool. Isso pode incluir distúrbios como doença hepática alcoólica, distúrbios de coagulação sanguínea, neuropatia alcoólica, distúrbios cardíacos (como a cardiomiopatia alcoólica) e síndromes cerebrais crónicas (como a síndrome de Wernicke-Korsakoff).

Grupos de apoio:

O stress causado pela doença geralmente pode ser aliviado por meio da participação num grupo de apoio, onde os membros compartilham experiências e problemas em comum.

Expectativas (prognóstico):

A abstinência alcoólica complicada é grave e pode trazer risco de vida ao paciente. Sintomas como insónia, fadiga e instabilidade emocional podem persistir durante um ano ou mais, podendo se tornar crónicos.

Complicações:

  • convulsões
  • arritmias cardíacas que podem trazer risco de vida
  • lesões causadas por quedas durante as convulsões
  • lesões a si mesmo ou a outros causadas pelo estado mental (confusão/delírio)

Solicitação de assistência médica e/ou farmacêutica:

Dirija-se para as urgências hospitalares ou ligue para o número de emergência médica (como o 112) se apresentar qualquer sintoma desse distúrbio. A abstinência alcoólica complicada é uma condição de emergência.

Prevenção:

Evite ou minimize o uso de álcool. Se reconhecer a existência do alcoolismo, trate-o de forma adequada. Obtenha tratamento médico imediato se apresentar sintomas de estado de suspensão de álcool.

Farmácia Saúde Farmacia Saude