Resposta alérgica.

Conjunto de sintomas causados por uma resposta imune a substâncias que não desencadeiam essa reação na maioria das pessoas. Veja também alergia alimentar, febre dos fenos, alergia a mofo, caspa e poeira, alergia a medicamentos, testes de alergia e reações alérgicas.

Causas, incidência e fatores de risco:

A alergia é causada por uma sensibilidade excessiva do sistema imune que leva a uma resposta imune equivocada. Normalmente, o sistema imune protege o corpo de substâncias nocivas como bactérias, vírus e toxinas. A alergia manifesta-se quando esse sistema reage a substâncias (alergénios) que, em geral, são inofensivas para a maioria das pessoas e não provocam essa resposta.

A primeira exposição ao alergénio produz uma resposta imune moderada que sensibiliza esse sistema contra a substância (estimulando-o a reconhecer a substância). A segunda e demais exposições a essa substância provocarão a manifestação dos sintomas. O tipo de sintoma depende do alergénio específico, da parte do corpo exposta e da forma como o sistema imune reage a esse elemento.

Quando um alergénio penetra o corpo de uma pessoa com um sistema imune sensibilizado, ele desencadeia a produção de anticorpos. Os tecidos libertam histamina e outros químicos, como parte da resposta imune. Esse processo provoca coceira, edema dos tecidos afetados, produção de muco, espasmos musculares, urticária, erupções cutâneas e outros sintomas que variam, em termos de intensidade, de pessoa para pessoa.

A parte do corpo exposta ao alergénio também produzirá, em parte, alguns sintomas. Por exemplo, os alergénios inalados quase sempre provocam congestão nasal, coceira na garganta e nariz, produção de muco, tosse, sibilos ou sintomas similares. Em geral, a alergia alimentar produz: dor abdominal, cólicas ou sintomas similares, embora todo o corpo possa ser afetado quando o alimento for absorvido. As alergias a plantas frequentemente provocam a erupção da pele e as alergias a medicamentos normalmente comprometem todo o organismo.

As alergias como a febre dos fenos, o eczema, a asma e muitas outras estão associadas a vários distúrbios, podem desencadear a sua manifestação, ou até mesmo piorar os seus sintomas.

Os alergénios comuns envolvem agentes ambientais que entram em contacto com a pele, com as vias respiratórias ou com a superfície dos olhos (como o pólen; veja também alergia a mofo, caspa e poeira). A alergia alimentar e a alergia a medicamentos são muito comuns e as reações alérgicas podem ser provocadas por picadas de insetos, jóias, cosméticos e por quase todas as substâncias que entram em contacto com o corpo.

Algumas pessoas manifestam reações de tipo alérgico às temperaturas quentes ou frias, à luz do sol ou a outros estímulos físicos. Em algumas pessoas a fricção (como esfregar ou golpear a pele vigorosamente) provocará os sintomas. Esse mecanismo só é conhecido parcialmente, mas é possível que alterações mínimas na química da pele possam ocorrer em resposta aos estímulos físicos, e que algum componente dessa alteração química desencadeie a alergia (Veja também dermatite atópica e dermatite de contato).

As alergias são comuns. A hereditariedade, as condições ambientais, o número e o tipo de exposições, os fatores emocionais (stress e transtornos emocionais podem aumentar a sensibilidade do sistema imune), e muitos outros fatores podem indicar uma predisposição da pessoa a alergias.

Sintomas:

  • coriza (rinite)
  • aumento das lágrimas
  • coceira no nariz, na boca, nos olhos, na garganta, na pele ou em qualquer área do corpo
  • sibilos
  • tosse
  • dificuldade para respirar
  • vermelhidão da pele
  • urticária
  • erupção de pele
  • cólicas estomacais
  • vómitos
  • diarreia
  • sensação de distensão do estômago
  • dor de cabeça
  • perda de audição
  • secreções/sangramento do ouvido
  • quemose

Obs.: As alergias variam conforme o tipo de antígeno e a parte do corpo onde a reação alérgica se manifesta.

Sinais e exames:

A história clínica é importante no diagnóstico de alergias, incluindo as informações sobre se os sintomas variam conforme a hora do dia ou a estação do ano e também sobre as possíveis exposições que envolvem animais de estimação, alterações na dieta ou outras fontes de alergénios.

Exames podem ser feitos para determinar se os sintomas são de uma alergia real ou causados por outros problemas. Por exemplo, alimentos contaminados (“intoxicação alimentar”) podem ser semelhantes a alergia alimentar. Alguns medicamentos (como aspirina, ampicilina e outros) podem produzir reações não alérgicas, incluindo erupções, que se assemelham a alergias a medicamentos mas que não representam alergias verdadeiras.

  • os níveis de anticorpos / imunoglobulina (particularmente IgE) elevados indicam uma reação alérgica,
  • os níveis de complemento podem mostrar-se anormais,
  • os exames podem revelar alergénios específicos
    • os testes cutâneos são o método mais comum de exames de alergia, e podem incluir testes intradérmicos, de arranhadura, de adesivos ou outros,
    • às vezes, o alergénio suspeito é dissolvido e instilado no revestimento da pálpebra inferior (conjuntiva) como forma de teste,
    • outros exames para determinação de alergénio específico envolvem vários tipos de testes de “uso” ou de “eliminação”, nos quais os itens suspeitos são eliminados e/ou introduzidos enquanto a pessoa é observada quanto à resposta do corpo à substância,
    • os testes de reação a um estímulo físico podem incluir a aplicação de elementos estimulantes (calor, frio e assim por diante) e a observação quanto à resposta alérgica.

Esta doença também pode alterar os resultados dos seguintes exames:

  • contagem de glóbulos brancos
  • hemograma completo
  • imunoeletroforese sérica

Tratamento:

O tratamento varia, de acordo com a gravidade e tipo de sintoma. Os objetivos a curto prazo incluem o alívio imediato dos sintomas, enquanto a longo prazo procura-se evitar reações alérgicas futuras.

Os corticosteroides, como a dexametasona ou a prednisona, reduzem a resposta imune e podem ser prescritos para diminuir os sintomas. A epinefrina é usada para reduzir o inchaço das vias respiratórias e outros sintomas que envolvam risco de vida. Os anti-histamínicos como a difenidramina quase sempre oferecem um bom alívio dos sintomas leves a moderados.

As doenças causadas especificamente por alergias (como asma, febre do feno e eczema) podem exigir outros tratamentos.

O melhor tratamento a longo prazo é o de se evitar o alergénio, particularmente no caso de uma reação alérgica a alimentos ou medicamentos.

Às vezes, recomenda-se a dessensibilização (imunoterapia, “injeções para alergia”) quando não for possível evitar o alergénio. Esse procedimento inclui a aplicação regular de injeções contendo a substância alergénica, ministradas em doses crescentes que podem “climatizar” o corpo para o antígeno.

Grupos de apoio:

O stress causado pela doença geralmente pode ser aliviado por meio da participação num grupo de apoio, onde os membros compartilham experiências e problemas em comum.

Expectativas (prognóstico):

A maioria das alergias pode ser tratada prontamente. Entretanto, o tratamento só envolve aquela exposição, de modo que os contatos subsequentes com o alergénio podem provocar outra reação alérgica.

Raramente, as pessoas podem “superar” uma alergia à medida que o sistema imune se torna menos sensível ao alergénio. Entretanto, como regra geral, uma vez instalada uma reação alérgica por uma substância, esse alergénio continua a afetar a pessoa, podendo causar uma resposta gradativamente mais grave se houver exposições repetidas a ele.

A dessensibilização pode provocar efeitos colaterais desconfortáveis (como urticária e erupções) e resultados perigosos (como a anafilaxia). Essa condição pode exigir anos de tratamento, que é eficaz em cerca de dois terços dos casos.

Complicações:

  • anafilaxia (reação alérgica potencialmente fatal)
  • desconforto durante a manifestação da reação alérgica
  • interrupção do estilo de vida
  • sonolência e outros efeitos colaterais decorrentes do uso de anti-histamínicos
  • efeitos colaterais de outros medicamentos (veja os medicamentos específicos)

Solicitação de assistência médica e farmacêutica:

Marque uma consulta com o seu médico se aparecerem sintomas graves de alergia, se o tratamento anteriormente bem sucedido deixa de ser eficaz, ou se os sintomas são graves ou não reagem ao tratamento.

Prevenção:

Não existe método de prevenção conhecido. Os sintomas podem ser prevenidos evitando-se o contato com os alergénios conhecidos.

Farmácia Saúde Farmacia Saude

COMPARTILHAR
Artigo anteriorAlergia alimentar
Próximo artigoAlergias a medicamentos